Procedimentos – Corporal

Ginecomastia

 

GinecomastiaO aumento do volume mamário no homem ou ginecomastia traz, invariavelmente, repercussões psicológicas. A ginecomastia é a alteração mamária mais comum no paciente masculino, representando cerca de 70% das patologias mamárias.

A ginecomastia pode ser secundaria ao aumento de gordura ou de tecido mamário. Nos casos de excesso de gordura a técnica utilizada é a lipoaspiração.

Dependendo da técnica empregada podem ter variações quanto às cicatrizes. No caso da lipoaspiração as cicatrizes tem em torno de 5 milímetros.

 

A Cirurgia

 

A cirurgia é realizada sob anestesia local no hospital sob anestesia peridural ou geral, dependendo do local e quantidade de tecido a ser lipoaspirado, durando de 30 minutos a 4 horas, podendo a paciente ter alta no mesmo dia.

A gordura é removida através de cânulas, introduzidas próximas a região a ser lipoaspirada através de pequenas incisões de cerca de 1 cm.

As cânulas utilizadas atualmente são bem mais delicadas do que aquelas usadas no passado, levando a um resultado sem aquelas irregularidades que eram observadas, alem de produzirem um traumatismo bem menor.

Caso seja necessária a ressecção de glândula mamária a técnica empregada é feita através de uma cicatriz semicircular no bordo inferior da aréola. A cicatriz fica bem camuflada e imperceptível pela própria condição de transição de cor entre a aréola e a pele normal.

 

Pós-operatório

 

A região operada apresenta sempre um grau maior ou menor de edema (inchaço) e pode apresentar equimose (coloração roxa da pele). Os pontos são retirados com 7 dias.

É muito raro o aparecimento de cicatrizes hipertróficas ou queloidianas na cirurgia de correção da Ginecomastia. Esta tendência deverá ser avaliada durante a consulta inicial, oportunidade em que são feitas perguntas sobre a vida clínica pregressa, bem como características familiares, que auxiliam no prognóstico das cicatrizes.

Vários recursos clínicos e cirúrgicos são utilizados para melhorar cicatrizes inestéticas. Não se deve confundir a cicatrização normal (do 30º dia até o 12º mês) como uma complicação cicatricial.

No caso em que for utilizada a lipoaspiração, pode haver dor, que cede facilmente com analgésicos. Normalmente a anestesia mais utilizada é a anestesia local. Em casos raros pode-se usar a anestesia geral.